Óbidos recebe exposição inédita de Pomar

Pela primeira vez num único espaço são mostradas obras das três fases de Pomar sobre D. Quixote. A primeira de 1959 – 1961, quando a convite da editora Bertrand ilustrou uma edição da obra prima de Cervantes; a segunda, em 1998, aquando da exposição na Cidadela de Cascais; e a terceira, entre 2004 e 2005, que coincide com a criação de centenas desenhos para uma edição especial na imprensa. Esta exposição, abrangente e inédita, propositadamente condensada em apenas 20 obras, é inaugurada no dia 21 de Julho, às 12h00, no Museu Municipal de Óbidos e simboliza o arranque da segunda edição do FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos.

Para Alexandre Pomar, curador da exposição, filho do pintor e presidente da Fundação Júlio Pomar, “esta exposição permite que se vejam pela primeira vez em simultâneo, obras de todas as fases do pintor sobre um dos universos que ele mais visitou ao longo da sua carreira, mostrando a relação de Pomar com a obra do Cervantes ao longo de quase meio século”. Esta seleção, “feita propositadamente para Folio”, tem o duplo objetivo de “celebrar o quarto centenário sobre a morte de Miguel de Cervantes, figura maior da literatura e autor de ‘Dom Quixote’”, e de fazer a pintura de Júlio Pomar participar no Folio “um festival que se destaca pela forma como relaciona as artes plásticas com a literatura”.

Celeste Afonso, vereadora da cultura da Câmara Municipal de Óbidos diz que esta exposição é “a forma escolhida pelo FOLIO para simbolizar o arranque da programação do festival que vai decorrer de 22 de setembro a 2 de outubro”.

Com inauguração marcada para 21 de Julho, quinta-feira, às 12h00, no Museu Municipal de Óbidos, a inauguração conta com as presenças de Alexandre Pomar, Humberto Marques (Presidente da Câmara Municipal de Óbidos), Celeste Afonso (vereadora da Cultura) e Anabela Mota Ribeiro (curadora da FOLIA).

Esta parceria com a Fundação Júlio Pomar e o Atelier-Museu Júlio Pomar marca o arranque da segunda edição do FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos. A exposição ficará patente durante o festival e permanecerá no Museu Municipal da Vila Literária até ao final do ano.

Sobre o folio:

Na primeira edição o Folio destacou-se logo como o maior Festival Literário realizado em Portugal. Recebeu a visita de 30 mil pessoas que puderam ao longo de 11 dias participar no evento cultural de Óbidos Vila Literária – pertencente à rede de Cidades Criativas da Unesco. Com uma programação vasta espalhada por cinco secções , Folio Autores, Folio Educa, Folia, Folio Ilustra e Folio Mais o Folio 2016 traz este ano Óbidos centenas de escritores, autores, criadores e artistas com o destaque natural para a presença dos escritores internacionalmente aclamados, Salman Rushdie e o prémio Nobel V.S Naipaul.

Sobre Júlio Pomar:

Nasceu em 1926 em Lisboa. Frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e as Escolas de Belas-Artes de Lisboa e Porto. Em 1942 integrou em Lisboa a primeira exposição coletiva e, cinco anos depois, realizou a sua primeira mostra individual no Porto. Nessa altura, foi convidado por Almada Negreiros a participar na VII Exposição de Arte Moderna do Secretariado de Propaganda Nacional/Secretariado Nacional de Informação. No período pós II Guerra Mundial a sua oposição ao regime de Salazar valeu-lhe uma estadia de quatro meses na prisão, a apreensão de um dos seus quadros pela polícia política e a ocultação dos frescos com mais de 100 m2, realizados para o Cinema Batalha no Porto. Permanece em Portugal até 1963, ano em que se instala em Paris. Atualmente vive e trabalha entre Paris e Lisboa.

Júlio Pomar

Na imagem: D. Quixote e os Carneiros (1998)

Júlio Pomar

Comments are closed.